Ir para o Conteúdo Principal
Entrevista com a gerente de tendências Maddy Buxton

Cultura e Tendências

Entrevista com a gerente de tendências Maddy Buxton

  • De Joshua Sostrin
  • Editor
  • 03.Ago.2020
Entrevista com a gerente de tendências Maddy Buxton
Entrevista com Maddy Buxton

Você já pensou em como os hábitos de visualização de vídeos mudaram neste momento complexo pelo qual passamos? Esse cenário também tem influenciado o comportamento digital das pessoas e como elas buscam e produzem conteúdo. Pensando nisso, lançamos uma série de entrevistas com foco as tendências de vídeo que a equipe de Cultura e tendências do YouTube (CaTs, na sigla em inglês) tem monitorado. Esperamos que você encontre nessas entrevistas muitas ideias úteis sobre o que essas tendências nos dizem sobre o mundo e sobre nós mesmos.

 

A primeira vai ser com Maddy Buxton, gerente de Cultura e tendências do YouTube, que tem como foco EUA e Canadá. É um cargo em que ela monitora vídeos populares e analisa o impacto deles na cultura geral. Maddy já trabalhou com cultura da Internet como editora de tecnologia da Refinery29. 

 

O que o time de CaTs faz e o que ele não faz?

 

Maddy: Observamos tendências crescentes no YouTube. Tentamos coletar ideias dessas tendências e entender por que são populares. Não somos videntes, por isso, não fazemos previsões de tendências. A cultura evolui e muda tão rápido que seria muito difícil prever o que vai acontecer, até mesmo no mês que vem, por isso nos concentramos em tendências que estão crescendo no momento.

Talvez as pessoas se surpreendam ao saber que muitos membros da sua equipe são ex-jornalistas. Como você explica uma concentração tão alta de jornalistas nela? 

 

Maddy: Quando os jornalistas trabalham em uma reportagem, eles consultam muitas fontes diferentes, fazem entrevistas, analisam as estatísticas e pesquisas que existem e colocam tudo isso em uma narrativa coesa. Acho que, na nossa área, saber contar uma história é muito útil, porque estamos usando os dados para contar as histórias dessas tendências e dos criadores de conteúdo que estão por trás delas.

 

Vamos falar sobre algumas das tendências que estamos vendo agora. Que tipo de conteúdo tem surgido em paralelo aos protestos causados pela morte de George Floyd?

 

Maddy: De imediato, não foi surpresa ver muitos vídeos de notícias. As visualizações diárias de vídeos com “George Floyd” no título ou na descrição chegaram ao pico de 200 milhões em 1º de junho à medida que os protestos foram acontecendo. Além disso, as visualizações de vídeos relacionados ao Black Lives Matter dispararam, com mais que o quádruplo de visualizações nos primeiros dias de junho do que nos 12 meses anteriores. 

 

Vimos alguns tipos de vídeos diferentes como resultado. O primeiro são vídeos de criadores de conteúdo que estão documentando e compartilhando suas experiências pessoais ao se depararem com o racismo. Existem vídeos com “Being Black In” ("Ser negro em") no título, em que os criadores de conteúdo falam sobre como é ser negro em países do mundo inteiro, bem como em diferentes comunidades, como as de arte e de tecnologia. Também vimos alguns criadores de conteúdo, incluindo Marques Brownlee, compartilhar suas experiências pessoais em vídeos com reflexões sobre “the color of my skin” ("a cor da minha pele") nos títulos.
Imagem sobre galinhas

Imagem sobre galinhas

O segundo tipo de vídeo que vimos foram os das pessoas que mostraram solidariedade ao movimento Black Lives Matter. O terceiro tipo de formato de vídeo que vimos foram os que convocavam ativismo e ações, compartilhando formas de ajudar a causa e apoiar negócios de proprietários negros.

 

A COVID-19 resultou em algumas tendências de visualizações que não imaginávamos, como as visualizações de vídeos sobre criação de pintinhos. O que está por trás desse interesse repentino na criação urbana de galinhas? 


Maddy: As pessoas costumam recorrer ao YouTube para aprender a fazer coisas, mas, nos últimos meses, vimos alguns guias inusitados crescerem, e como criar galinhas foi um deles. Vimos que a média diária de visualizações de vídeos com variações de "como criar galinhas" no título aumentaram 170% entre 15 de março de 2020 e 15 de abril de 2020, em comparação à média de visualizações até 14 de março. Isso foi atribuído, em parte, às notícias de que os americanos estavam comprando galinhas com a preocupação de terem uma fonte confiável de ovos quando houvesse escassez. Se você é uma pessoa que está comprando pintinhos por impulso, provavelmente não sabe criá-los. Por isso, as pessoas estavam recorrendo ao YouTube para descobrir como fazer isso. 

Com a pandemia fazendo tanta gente ficar em casa, houve grandes transtornos em como comemoramos momentos importantes, como aniversários, formaturas e outras datas. Vocês observaram especificamente os aniversários. O que sua análise revelou? 

 

Maddy: Vimos algumas maneiras que as pessoas estavam usando o YouTube para festas de aniversário. A primeira foi conseguir informações práticas sobre como fazer algo que antes era encomendado: um bolo de aniversário! Vimos a média diária de vídeos relacionados a receitas de bolo de aniversário no título aumentar mais de 217% desde 15 de março de 2020 em comparação ao mesmo período do ano anterior. À medida que as pessoas passaram a se preocupar em fazer o bolo, houve escassez de ingredientes importantes, como farinha e ovos. Assim, não nos espantou que alguns dos vídeos mais visualizados de receitas de bolo de aniversário enviados desde meados de março foram os que mostravam soluções criativas de como fazer mais com menos, incluindo como fazer um bolo sem usar o forno ou como fazer um bolo com pouquíssimos ingredientes.


Também vimos muitos criadores de conteúdo postando vlogs que mostravam como comemorar um aniversário na quarentena. Esses vídeos vieram, em geral, de pessoas que estavam comemorando aniversários importantes, aqueles em que haveria uma grande festa antes de março. Nos seus vídeos, eles adaptaram o que tipicamente seria uma experiência bem social (uma festa de debutantes ou o aniversário de 18 anos) ao contexto da casa, inspirando os espectadores a fazerem o mesmo.

 

Como você havia mencionado antes, a CaTs não consegue prever o futuro, mas vocês conseguem nos dar alguma dica de quais tendências atuais vieram para ficar?

 

Maddy: Os artistas e os criadores de conteúdo do YouTube são inovadores e incrivelmente versáteis. Isso ficou muito claro quando começaram as ordens para ficar em casa: eles logo produziram um conteúdo que se adequava ao momento, desde a criação de exercícios físicos usando poucos equipamentos até a realização de shows na sala de suas casas. Quando os artistas e os criadores de conteúdo puderem voltar a alguns de seus processos de produção mais habituais, acho que teremos uma mistura de habilidades e maneiras de interagir com o público que adquiriram nos últimos meses com o que já faziam em maior escala em locais fora de suas casas.

 

De certa forma, somos como os criadores de conteúdo que organizam uma festa de aniversário em casa ou criam galinhas no espaço urbano: vamos aprendendo a aproveitar ao máximo as nossas casas e descobrindo novos jeitos de tirar proveito do nosso tempo dentro delas.

 

Maddy: Acho que essa comparação faz muito sentido. Para mim, o YouTube sempre teve um propósito muito útil, mostrando como fazer coisas que você não saberia, ao mesmo tempo em que proporciona entretenimento. Vimos essas duas coisas maximizadas de maneiras particularmente relevantes nos últimos meses.